HEROÍNA

Dandara

O Quilombo dos Palmares teve a liderança de uma mulher pouco lembrada pela historiografia tradicional
Por: Redação | Categoria: Brasil | 21-11-2018 11:06 | 4249
Foto de Reprodução

20 de Novembro é o Dia da Consciência Negra é o dia de lembramos da heroína Dandara, uma feroz guerreira que defendeu um reino de africanos libertados no Brasil.

Durante os quase quatro séculos de escravidão no Brasil, há um século em que os escravos formaram um assentamento livre. Escravos fugidos viriam para formar o Quilombo Palmares (também conhecido como Macambo Palmares, ou Angola Janga) no início do século XVII. O reino, constituído por várias aldeias, representava a resistência à escravidão e pretendia desmantelar completamente a sua existência. Estima-se que Palmares tivesse uma população de 20.000 habitantes e seu tamanho se estendesse até os estados de Agaloas e Pernambuco, em uma área de densa vegetação de palmeiras, dificultando a sua derrota.

Uma protagonista desta sociedade livre foi Dandara dos Palmares (Dandara), uma líder negra que lutou contra o sistema escravista do século XVII. Dandara era a esposa de Zumbi dos Palmares, um conhecido e célebre guerreiro, mas muitas das origens de Dandara são desconhecidas, envoltas em mistérios ou tradições. Não há registros de seu nascimento ou local de nascimento, nem de sua ascendência africana. Relatos afirmam que ela se estabeleceu em Quilombo Palmares como uma criança.

Como membro da sociedade agrária, ela praticava a agricultura, caçava, aprendia a lutar contra a capoeira (Palmares era conhecida por sua capoeira e artes marciais) e a usar ferramentas e armas para a ofensiva e defensiva de Palmares. Dandara liderou exércitos em batalha, atacando plantações e exércitos inimigos dos portugueses e holandeses. Sua existência desafiava os padrões de gênero das mulheres de então e de hoje.

Quando Ganga-Zumba, o chefe dos Palmares, assinou um tratado de paz com o governo português, Dandara se opôs a sua decisão. Enquanto o tratado reconhecia a liberdade de Palmares, pretendia transferir os Quilombos para Vale Cucaú. Dandara via isso como uma ameaça à federação de Palmares, e sua oposição e ideais de liberdade significavam que ela preferia lutar.

Zumbi e Dandara assumiram mais tarde o comando de Palmares e continuaram sua campanha contra os portugueses, vencendo várias batalhas. Finalmente, cerca de cem anos depois da fundação dos Quilombos, Palmares caiu para os portugueses em 6 de fevereiro de 1694. Em vez de ser escravizada, Dandara decidiu tirar sua vida, pulando em uma pedreira. Ela evitou a escravidão e a morte pelas mãos do opressor.

Carlos Rodrigues - São Sebastião do Paraíso