SEBRAE

ALAGO discute com SEBRAE projeto de turismo no Lago de Furnas

Por: Redação | Categoria: Brasil | 20-02-2019 17:23 | 3652
Foto de Reprodução

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae poderá apoiar a melhoria da competitividade dos pequenos negócios da cadeia produtiva do turismo que atuam na região do Lago de Furnas, tornando a atividade mais atrativa e com maior valor agregado para os produtos e serviços destinados aos turistas e moradores dos 34 municípios banhados pelo lago.

Solicitação neste sentido foi formulada por prefeitos de 18 municípios integrantes da Associação dos Municípios do Lago de Furnas – Alago, em visita ao diretor administrativo e financeiro do Sebrae, Carlos Melles,  em Brasília.

O diretor executivo da Alago, Fausto Costa, explicou que foi uma primeira visita de cortesia dos prefeitos ao diretor Carlos Melles, integrante da nova equipe de gestão do Sebrae, que assumiu a função no início deste ano.

“Foi um encontro muito positivo, o diretor Carlos Melles nos pediu um diagnóstico das nossas demandas e necessidades, a construção de um plano diretor, para tentarmos viabilizar um trabalho parceiro entre a Alago, o Sebrae e o Ministério do Turismo”, disse.  

Para Carlos Melles, a proposta foi lançada e é perfeitamente possível de ser efetivada.

QUALIFICAÇÃO TURÍSTICA
“A ideia é que o projeto capacite, qualifique esses empreendedores e faça uma interlocução deles com hotéis, pousadas, restaurantes e agências de turismo. Que possa integrar toda a cadeia produtiva do turismo que está nas margens e no entorno do lago e, automaticamente, aprimore a experiência turística, qualifique a imagem dos municípios da região de Furnas como destino turístico”, analisa Melles, que foi deputado federal por seis mandatos, secretário de Transportes e Obras de Minas e ministro do Esporte e Turismo, funções em que foi parceiro das entidades nesta região mineira, com importantes investimentos realizados.

Carlos Melles explica que o projeto pode e deve objetivar ainda a elevação do nível de formalização dos empreendimentos às margens do lago. “Com as ferramentas que o Sebrae oferece, que basicamente são as informações e o direcionamento para a formalização, podemos fazer a diferença também nesse aspecto”, disse o diretor.

BELEZAS NATURAIS
Construído na década de 60 do século passado para produzir energia elétrica, ele mudou a vida dos habitantes às margens do Rio Grande. Com quatro vezes o volume de água da Baía de Guanabara, no Rio, e uma área de 5,4 mil quilômetros (equivalente à metade do nosso litoral), o lago é alimentado por nascentes e rios de águas cristalinas que abrangem 34 municípios. Por esse motivo, é chamado, quase que apropriadamente, de “Mar de Minas”. (por Paulo Delfante)