JACUÍ

Jacuí sediará Circuito Mineiro do Café

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Agricultura | 14-04-2019 17:33 | 1350
Ano passado evento reuniu grande número de cafeicultores e espera-se aumento de público neste ano
Ano passado evento reuniu grande número de cafeicultores e espera-se aumento de público neste ano Foto de Arquivo

Jacuí será sede no próximo dia 23 de mais uma etapa do Circuito Mineiro de Cafeicultura, evento que acontecerá no Parque de Exposições. A programação prevê a realização de três palestras relacionadas à cultura do café quando serão abordados aspectos relacionados a qualidade, responsabilidade, importância da calagem entre outros assuntos. A Emater/MG uma das empresas parceiras da organização disponibilizará uma van para o transporte de pessoas interessadas em participar do evento, com saída de São Sebastião do Paraíso, mediante inscrição prévia, já que as vagas são limitadas.

O gerenciamento das propriedades cafeeiras é o foco da série de eventos técnicos do Circuito Mineiro de Cafeicultura deste ano, em todo o estado. No total, estão previstas cerca de 30 etapas, nas quatro regiões produtoras de café que abrangem o Sul, Chapadas de Minas, Matas de Minas e o Cerrado. Durante o Circuito Mineiro de Cafeicultura, os participantes, formados por técnicos, empresários e agricultores, terão a oportunidade de conhecer mais sobre o programa estruturador do Governo de Minas, o Certifica Minas Café.

O Circuito de Cafeicultura é promovido pela Emater-MG e pela Universidade Federal de Lavras (Ufla), em parceria com universidades, prefeituras, sindicatos rurais e empresas do setor. No caso de Jacuí a parceria envolve ainda a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa). Participam como apoiadores a Cooxupé, a Coopercitrus, o Sindicato dos Produtores Rurais de Jacuí e a Copasa. No local do evento, no parque de Exposição, será feira aferição de pressão arterial e diabetes, através de uma equipe de atendimento da Secretaria da Saúde do Município.

A programação prevê a realização de inscrições a partir das 8h, em seguida às 9h abertura do evento. A primeira palestra está programada para ocorrer a partir das 10h e terá como tema "Café com Qualidade e Responsabilidade", que será ministrada pelo engenheiro agrônomo e consultor de cafés especiais, Cesar Augusto C. Candiano. Na sequência, às 11h, o tema a ser abordado será "Importância da Calagem na Fertilidade do Solo", com Rodrigo Geraldo Borges. 

A última palestra será com o estensionista da Emater/MG e engenheiro agrônomo João Inácio Silva Citton. Ele abordará o tema "Como ser feliz produzindo café". Conforme o estensionista da Emater, escritório de São Sebastião do Paraíso, João Bosco Minto, "tivemos há poucos dias em Guaranésia uma palestra dele e ao final mais de 350 pessoas o aplaudiram de pé", assegura recomendando que "quem tiver oportunidade que acompanhe de perto", sugere. O encerramento será as 12h30 com sorteio de brindes e almoço de confraternização.

Certificado
Executado pela Emater-MG e pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e coordenado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), o Certifica Minas Café tem como uma das ações o atestado de qualidade das propriedades cafeeiras. O Programa orienta e certifica os cafeicultores para atender as exigências do comércio internacional, possibilitando o produto mineiro conquistar novos mercados, adequando às boas práticas mundiais de produção com responsabilidade ambiental, social e trabalhista.

As orientações para adequações das propriedades são feitas pela Emater-MG, enquanto as auditorias para verificar as adequações de acordo com os padrões internacionais são realizadas pelo IMA. É um roteiro que permite ao produtor a tomada de decisões, pois foca não somente na qualidade do café, mas também na qualidade da sua produção, o respeito às leis trabalhistas e ambientais, dentro da propriedade.

O Certifica Minas Café cobra uma gestão eficiente do produtor, seguindo linhas de passo a passo", explica Bernardino Cangussu. De acordo com o coordenador da Ema-ter-MG, a eficiência do programa tem reconhecimento internacional. "No ano passado, a Nestlé, maior compradora de café do mundo, reconheceu o Certifica Minas Café como um dos fornecedores de cafés sustentáveis", salienta.

Atualmente, o programa tem 1.300 propriedades cafeeiras certificadas e 700 em processo. Tem também parcerias com exportadores e outros organismos internacionais, o que possibilita ao produtor a abertura de novos mercados.

Momento de cautela para o produtor
O tradicional evento é realizado em um momento desafiador para o produtor: preços baixos no mercado da commodity agrícola; aumento de insumos, como óleo diesel e energia; condições climáticas pouco favoráveis; e a bienalidade do cafeeiro, que alterna ano a ano entre safras baixas e altas. O coordenador estadual de cafeicultura da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Bernardino Cangussu, explica que, como o cafeicultor está tendo dificuldade para ser remunerado em sua atividade, o momento exige cautela.

Conforme Bernardino mais do que nunca é importante uma gestão profissional dos custos. "A tomada de decisão tem de ser muito bem avaliada para que o produtor permaneça na atividade. A gente espera que a retomada de preços venha e que ele tenha condições de aproveitá-la", argumenta.

Ele opina que a qualidade do produto é o principal quesito colocado pelo mercado atual de café. "Essa é uma demanda que veio como uma onda, mas não está parando e a tendência é que se solidifique", ressalta. Ele cita as grandes companhias mundiais que agora partiram para a produção de cafés de qualidade. "Hoje grandes companhias mundiais estão fazendo cafés de qualidade, então o preço desse tipo tende a se manter com um diferencial", afirma.