CONCURSO CAFÉ

Governo abre as inscrições para o 17º Concurso de Qualidade do Café

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Agricultura | 15-07-2020 09:51 | 760
Ganhadores dos melhores cafés produzidos em Minas serão conhecidos até o final do ano
Ganhadores dos melhores cafés produzidos em Minas serão conhecidos até o final do ano Foto de Divulgação

O governo de Minas Gerais anunciou na quinta-feira, 9, a realização do "17º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais", em 2020. O lançamento foi feito pelo vice-governador Paulo Brant durante um seminário on-line sobre cafeicultura, promovido pela Emater-MG em parceria com o Conselho Nacional do Café (CNC). Os produtores interessados em participar do concurso de café devem preencher a ficha de inscrição e entregar as amostras concorrentes nos escritórios locais da Emater-MG até o dia 8 de setembro. Na edição de 2019 pelo menos seis produtores da região de São Sebastião do Paraíso conseguiram classificação para a segunda fase do certame.

Também participaram do evento de lançamento do concurso o presidente do CNC, Silas Brasileiro; a secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Ana Valentini; o presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza; e dirigentes das principais cooperativas ligadas à produção de café de Minas Gerais e São Paulo.

A participação é gratuita. O regulamento completo do concurso e a ficha de inscrição estão disponíveis no site da Emater-MG e podem ser acessados clicando aqui. "O concurso valoriza a qualidade e a diversificação do café mineiro. Ele também tem um caráter educativo. Aquilo que é desenvolvido no processo para a obtenção da qualidade, que caracteriza o concurso, é repassado, através dos extensionistas da Emater, para todos os produtores", afirmou Paulo Brant. A solenidade de encerramento, com anúncio dos vencedores, será em dezembro. 

Podem participar da competição produtores dos municípios mineiros, com amostras de café arábica, tipo 2 para melhor, colhidas neste ano. A lavoura de origem da amostra deve ser georreferenciada. O concurso tem duas categorias. A primeira é a Café Natural. Neste sistema, o café recém-colhido é levado para secar. A outra categoria é a do Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado. Nestes tipos de café, após a lavagem, há uma separação dos frutos verdes e secos dos frutos maduros. Depois, eles passam por um descascador para só depois seguirem para secagem. No caso dos cafés despolpados e desmucilados, há ainda uma fase onde o produto passa por um tanque de fermentação.

O 17º Concurso de Qualidade dos Cafés será promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Emater-MG e Seapa, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (Ufla), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas e a Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe). A Emater-MG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa),  informa que, durante a realização das etapas do concurso,  todas as orientações das entidades de saúde sobre medidas de prevenção à Covid-19 serão seguidas e que, caso necessário, as datas poderão ser remanejadas por causa da pandemia.

Julgamento
Os cafés concorrentes irão passar por análises físicas e sensoriais feitas por uma comissão julgadora formada por, no mínimo, dez classificadores e degustadores de café. No processo de classificação das amostras,  será utilizada a metodologia da Associação de Cafés Especiais (SCA).

Serão analisados atributo como fragrância/aroma, sabor, acidez, corpo, uniformidade, ausência de defeitos, doçura, finalização, equilíbrio e avaliação global. A comissão julgadora fará a classificação das melhores amostras das duas categorias, de cada região cafeeira de Minas Gerais: Cerrado, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas. O produtor que obtiver a maior pontuação final, independentemente de categoria, será considerado campeão estadual.

Em 2019, o campeão estadual foi o cafeicultor Paulo Gomes, do município de Espera Feliz, região das Matas de Minas. O concurso contou com 1.411 amostras inscritas. Os vencedores comercializaram seus lotes de café com ágio de preços.