TERRA NOSTRA

Renascimento

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 23-09-2020 03:19 | 132
Foto de Reprodução

Aqui estamos nós de novo.

Hoje falaremos novamente sobre o Renascimento e o faremos especificamente sobre o Florentino.

A Renascença nasceu oficialmente em Florença, uma cidade muitas vezes referida como seu berço. Esta nova linguagem figurativa, também ligada a uma forma diferente de pensar o homem e o mundo, inspirou-se na cultura local e no humanismo.

Após a ruptura econômica e social de meados do século 14 (causada por falências de bancos, peste negra, fome e ferozes lutas civis), que culminou com o Tumulto dei Ciompi de 1378, Florença estava se recuperando. A população voltou a crescer e, sob o domínio da oligarquia de classe alta, as obras públicas que haviam sido interrompidas na cidade foram reabertas.

Tudo começou com a figura de Cosimo de ‘Medici, um banqueiro rico que percebeu que um controle mais direto sobre a política era necessário para proteger seus interesses.

Os médicos estabeleceram um longo comando que durou cerca de três séculos.

A era de Lorenzo, o Magnífico (no poder de 1469 a 1492), após um início crítico com a conspiração Pazzi, foi mais tarde uma era de paz, prosperidade e grandes conquistas culturais para a cidade, que se tornou uma das mais refinadas na Itália e na Europa, exportando seus ideais para outros centros da península graças ao envio de artistas e escritores a “embaixadas culturais”: emblemática é a primeira decoração da Capela Sistina realizada por um ‘pool’ de artistas de Florença (Botticelli, Ghirlandaio, Perugino, etc.

Com a morte de Lorenzo iniciou-se uma era de crise e repensar, dominada pela figura de Girolamo Savonarola, que após a expulsão de Piero il Fatuo fez com que a República se restabelecesse e criasse um estado de inspiração teocrática.

Savonarola, com críticas ferozes e sermões contra a igreja, de repente mergulhou a cidade de volta no obscurantismo medieval, em total contraste com os ideais do humanismo então em voga.

Savonarola, mais do que São Francisco, espera um retorno à pobreza com um lembrete e à austeridade da igreja, de alguma forma se antecipando a Lutero.

A batalha de Savonarola contra o Papa Alexandre VI Borgia decretou o fim do prestígio do frade, que foi condenado como herege e queimado na Piazza della Signoria em 1498. A partir daí a situação política e social tornou-se ainda mais confusa, com a saída da cidade de numerosos artistas. Nesse ínterim, um filho de Lorenzo, o Magnífico, Giovanni, havia se tornado cardeal e pela força da intimidação (com o terrível saque de Prato em 1512, para fins de demonstração) fez com que a cidade fosse devolvida. Subindo ao trono papal com o nome de Papa Leão X (1513), ele governou a agitada cidade de Roma por meio de alguns membros da família.

Em 1527, o saque de Roma foi a ocasião para uma nova rebelião contra os Medici, mas com o cerco de Florença em 1529-30 a república florentina foi definitivamente encerrada, que a partir de então se tornou um ducado nas mãos firmes de Cosimo I de ‘ Médici, então grão-duque após a sangrenta conquista de Siena. A essa altura, Florença era o chefe de um estado regional da Toscana.

O “renascimento” conseguiu ter uma difusão e uma continuidade extraordinariamente ampla, da qual surgiu uma nova percepção do homem e do mundo, onde o único indivíduo é capaz de se autode-terminar e cultivar suas habilidades, com as quais pode conquistar o Fortuna (no sentido latino, “destino”) e dominar a natureza mudando-a. Também é importante a vida associada, que adquire um valor particularmente positivo ligado à dialética, à troca de opiniões e informações, à comparação.

Essa nova concepção espalhou-se com entusiasmo, mas, contando com a força dos indivíduos, não deixou de ter lados duros e angustiantes, desconhecidos no tranquilizador sistema medieval. As certezas do mundo ptolomaico foram substituídas pelas incertezas do desconhecido, a fé na Providência foi substituída pela fortuna mais inconstante e a responsabilidade da autodeterminação acarretou a angústia da dúvida, do erro, do fracasso. Essa desvantagem, mais dolorosa e assustadora, reaparecia cada vez que o frágil equilíbrio econômico, social e político falhava, removendo o apoio aos ideais.

Os novos temas, porém, eram herança de uma pequena elite, que desfrutava de uma educação voltada para o futuro no cargo público. Os ideais dos humanistas, porém, eram compartilhados pela maior parte da sociedade mercantil e artesanal burguesa, sobretudo porque se refletiam efetivamente na vida cotidiana, sob a bandeira do pragmatismo, do individualismo, da competitividade, da legitimidade da riqueza e da exaltação. de vida ativa. Os artistas também participavam desses valores, mesmo que não tivessem uma formação que pudesse competir com a dos literatos; apesar disso, graças também às colaborações adequadas e às grandes aptidões técnicas aprendidas no terreno, as suas obras despertaram um vasto interesse a todos os níveis, anulando as diferenças elitistas por serem mais facilmente utilizáveis   do que a literatura, ainda rigorosamente escrita em latim.

Havia pelo menos três elementos essenciais do novo estilo:

Formulação das regras da perspectiva linear cêntrica, que organizava o espaço como uma unidade;

Atenção ao homem como indivíduo, tanto na fisionomia e anatomia como na representação das emoções;

Repúdio aos elementos decorativos e retorno à essencialidade.

No alvorecer do século XV, enquanto a Europa e parte da Itália eram dominadas pelo estilo gótico internacional, em Florença houve um debate artístico que se centrou em duas correntes opostas possíveis: uma ligada à aceitação, nunca plena até então, da elegância sinuosa e linear do gótico, embora filtrada pela tradição local, e mais uma vez a uma recuperação mais rigorosa dos modos dos antigos, reforçando mais uma vez a ligação nunca esquecida com as origens romanas de Florentia

A primeira fase do Renascimento, que ocorreu aproximadamente até os anos trinta / quarenta do século XV, foi uma época de grande experimentação, muitas vezes entusiasta, caracterizada por uma abordagem técnica e prática onde as inovações e novos objetivos não ficaram isolados, mas foram sempre retomado e desenvolvido por jovens artistas, num crescendo extraordinário que não teve igual em nenhum outro país europeu.

A primeira disciplina que desenvolveu uma nova linguagem foi a escultura, facilitada em parte pela maior presença de obras antigas para inspirar: nas primeiras duas décadas do século XV Donatello já havia desenvolvido uma linguagem original em relação ao passado. Seguiu-se a arquitetura dominada pela figura de Filippo Brunelleschi (as primeiras obras no Spedale degli Innocenti e na Antiga Sacristia de San Lorenzo datam de 1419) e, finalmente, a pintura, dominada pela carreira deslumbrante de Masaccio, ativa de 1422 a 1428.

Algumas das melhores realizações artísticas nasceram do confronto direto entre artistas chamados a trabalhar cara a cara (ou quase) sobre um tema semelhante: os crucifixos de Brunelleschi e Donatello, os coros da Catedral de Donatello e Luca della Robbia, as histórias da Capela Brancacci por Masaccio e Masolino.

A temporada arquitetônica do início do Renascimento é dominada pela figura de Filippo Brunelleschi que, após seu início como escultor, já na primeira década do século se dedicou a meditações sobre problemas arquitetônicos, valendo-se das observações feitas em suas viagens a Roma. A princípio foi consultado pela República Florentina para obras de engenharia militar, como as fortificações de Staggia e Vicopisa-no, e depois se concentrou no problema da cúpula de Santa Maria del Fiore, obra exemplar de toda a sua vida, que também contém germes para trabalhos futuros.

O terceiro pai da revolução renascentista foi Masaccio para a pintura. sua atividade se concentra em poucos anos: desde a primeira obra que nos alcançou em 1422 até sua morte em Roma em 1428

Durante sua vida, os três inovadores da arte florentina receberam grande estima e admiração, e influenciaram a produção artística a longo prazo, mesmo que nenhum deles tenha sido totalmente recebido por outros artistas contemporâneos.

O quadro que se percebe da época é, portanto, o de uma desconexão entre as propostas artísticas mais radicais e inovadoras e o mundo humanista, que relega, pelo menos nas primeiras décadas, o grupo de inovadores a uma posição um tanto isolada e parcialmente mal compreendida na mesma. Florença. O mesmo modelo do “antigo”, amado pelos humanistas, oferecia ideias ecléticas e às vezes opostas, assim como a arte romana havia sido eclética. Portanto, os artistas poderiam aproveitar esse imenso patrimônio, escolhendo de vez em quando o que mais se adequasse aos gostos e à mentalidade do momento.

A última temporada da República Florentina, a do gonfalonierato vitalício de Pier Soderini, embora não fosse memorável do ponto de vista político, marcou uma primazia singular no campo artístico, favorecendo a retomada das encomendas públicas e privadas. Grandes artistas foram chamados à cidade com o objetivo de aumentar o prestígio da nova república, gerando uma renovação artística rápida e consistente [52]. Os protagonistas dessa cena foram Leonardo e Michelangelo, que voltaram à cidade depois de estadias mais ou menos longas em outros centros, aos quais o jovem Rafael foi agregado posteriormente, convocado à cidade justamente por curiosidade para testemunhar as novidades em andamento.

Como vimos, Florença foi o berço do novo renascimento europeu, exportando para o campo artístico as novidades dos grandes artistas que se revezavam em cena, cujo número é tal que não se pode falar aqui.

Da próxima vez iremos a Roma, onde o Renascimento dá origem a grandes obras ainda hoje admiradas por todo o mundo e que vê no Papa a figura central do movimento.

Ciaoooo
Manolo D’Aiuto/Il Vero Italiano