MODA

Estela Nascimento desfila do ‘Renda-se 1ª Mostra Alagoana de Moda’

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Entretenimento | 25-09-2020 17:40 | 928
Estela Nascimento fez a sua contribuição em grande estilo desfilando com uma das peças de filé
Estela Nascimento fez a sua contribuição em grande estilo desfilando com uma das peças de filé Foto de Gustavo Sarmento

A jornalista Estela Nascimento, de São Sebastião do Paraíso, foi uma das debutantes do “Renda-se 1ª Mostra Alagoana de Moda”. O evento teve como destaque o ‘filé’ uma espécie de bordado que é patrimônio cultural imaterial do Alagoas. Idealizado pela arquiteta Mirna Porto Maia a iniciativa teve a realização da Ponto Produção e patrocínio do Magazine Luiza, por meio da Lei de Incentivo à Cultura. As apresentações ocorreram no Espaço Armazém, em Maceió (AL) e foram transmitidas ao vivo pelo YouTube na noite de quinta-feira,24.

O desfile apresentou 10 trabalhos sendo cinco profissionais e cinco estudantes de moda da Escola Técnica de Artes, da Universidade Federal de Alagoas. Cinquenta pessoas estiveram na passarela, respeitando às normas de segurança em função do período de pandemia, porém sem perder o glamour, o encanto e a emoção que o desfile suscita em seus participantes. O público em geral, mesmo à distância pode ser contagiado por fortes vibrações de alegrias em cada apresentação.

Um dos destaques da passarela foi a jornalista paraisense Estela Nascimento que brilhou em sua apresentação. Ao Jornal do Sudoeste ela contou que sua participação no evento se deu por acaso. “Fui fazer uma reportagem com a Mirna Porto, que é idealizadora deste projeto. Durante a entrevista foi preciso fazer algumas imagens com algumas peças de filé e ilustrar a matéria da TV. Desfilei apenas para fazer as imagens da peça, mas a Mirna gostou do que viu, achou a jornalista ‘estilosa’ e gostou da minha performance”. O resultado é que ganhei a peça e também o convite para participar do desfile”, conta Estela.

Mesma surpresa com o convite a jornalista paraisense não hesitou e aceitou a proposta. “É um evento que reúne um cast de modelos profissionais, mas também tem a participação de outras pessoas amigas e queridas como a bailarina Maria Emília Clark e a arquiteta Vera Gomes, tem também a participação de funcionários públicos, pessoas que gostam da moda”, comenta.  Estela disse que se sentiu bem à vontade. “Todas pessoas se entregam aquilo que faz. Eu mesma com 25 anos de telejornalismo, nunca tinha desfilado, a gente acaba incorporando o papel do manequim, emprestamos o corpo para a peça, em favor de divulgar a cultura alagoana, através do filé que é patrimônio imaterial do Estado”, descreve.

Numa destas ‘encarnações’ Estela se apresenta em um make de Iemanjá, a rainha das águas, obra do estilista Fênix Zion. Ele ressalta que o título da coleção é rede, “é uma moda que não se move só”, define. E acrescenta que ela foi construída a partir de todas as relações que atravessam este período pandemia. “É uma rede de pessoas que se encontram, na rua, na vida, no geral. São peças coloridas que representam a sexualidade, a diversidade e a variedade de tudo que envolve as pessoas”, cita.

Estela Nascimento que depois de 12 anos como repórter e apresentadora da TV Gazeta, afiliada da Rede Globo, atualmente está na TV Ponta Verde, afiliada do SBT, há dois anos, destaca a importância do filé. “Como disse, é uma espécie de bordado. São peças belíssimas feitas por pessoas simples, em um projeto maravilhoso e que beneficia muita gente”, descreve.

Para a curadora do projeto Renda-se, Mirna Porto, a intenção de fazer a apresentação não era através de uma live, mas foi a opção obtida em virtude da pandemia. “Não nos falta coragem, criatividade e apoio. Agradeço a cada pessoa que coloca seu coração para que este momento tornasse realidade” afirma. Ela ressalta que tudo aquilo que foi apresentado é resultado do talento nato do alagoano. “A renda do filé não era vista como outras rendas. Ela é a cara das lagoas de Alagoas”, descreve. Mesmo diante de várias perdas durante o ano, Mirna se vê tocada pelo renascimento e a renovação. “Tivemos muitas perdas nesta caminhada, mas é o momento que a gente vê tudo renascer, com novos talentos e novos artistas  eu me sinto muito feliz”, completa.

Muito mais que um simples bordado, o filé representa uma dimensão econômica e cultural para diversas comunidades alagoanas. A tradição, que em 2014 se tornou patrimônio imaterial do Estado, garante a sustentabilidade para dezenas de famílias e cada vez mais imprime suas formas e cores no imaginário visual de Alagoas. Conforme a curadora Mirna Porto Maia, o principal objetivo do Renda-se é pensar a moda e o design como instrumento de valorização da cultura local.

Ao centro Mirna Porto é idealizadora do projeto
Estela com o estilista Fênix Zion
Estela Nascimento fez a sua contribuição em grande estilo desfilando com uma das peças de filé
Estela Nascimento fez a sua contribuição em grande estilo desfilando com uma das peças de filé