APC

Escrever um livro, plantar uma árvore, ter um filho (Editora Albatroz)

De Francisco Teodoro - Membro Honorário da APC - ao amigo André Cruvinel, atual presidente da ACADEMIA PARAISENSE DE CULTURA e membros acadêmicos, pela passagem da data comemorativa dos 34 anos da Instituição.
Por: Redação | Categoria: Cultura | 30-09-2020 08:46 | 309
Foto de Reprodução

Quem nunca ouviu falar essa frase/provérbio antes? Pode ser que escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho sejam apenas atos, mas digo que não. São muito mais do que apenas atitudes que podem se esvair no tempo. São atos que deixarão um legado, uma memória, uma reputação.

Em uma cena do filme Tróia, um menino aconselha Aquiles enquanto monta o seu cavalo, para não lutar contra seu oponente, pois, era o maior homem que o menino já havia visto! O pequeno chega a dizer: “Se eu fosse você não lutaria com ele”. E Aquiles em tom superior, mas sóbrio, diz: “Por isso seu nome nunca será lembrado”. Pode parecer muito pesado e grosseiro dizer isto para alguém, mas de forma menos direta, digamos que somente é lembrado quem deixa seus frutos por onde passa ou depois de extinguir seu tempo por aqui.

Escrever um livro é uma das melhores maneiras de eternizar alguns pensamentos e palavras. É uma maneira de não estar morto e não ser perene ao tempo. Olhemos quantas obras permanecem vivas entre nós até hoje. Vale lembrar que não basta escrever um livro sem conteúdo ou que não provoque um ínfimo pensamento ou emoção ao leitor. É o mesmo que soprar vento em alguém que esteja inteiramente coberto na cama. Se pensa em escrever um livro, por que não algo que adicione? Mesmo que seja apenas uma crônica, apenas uma história, apenas 50 páginas...  Mas que tenha “a semente” que modifica o homem, que o leve à reflexão. Um livro que traz à tona essa reflexão é “Qual a tua obra” de Mário Sérgio Cortella. Vale a pena ler.

Até mesmo em comerciais essa filosofia já esteve presente. O notável e inesquecível vídeo da marca de uísque ‘Johnnie Walker’, onde um androide com aparência humana fala de seu dia a dia e nos dá um conselho fantástico no final. Ele diz: “Eu posso alcançar a imortalidade, basta não me desgastar. Você também pode alcançar a imortalidade, basta apenas fazer uma coisa notável.

Bom, acho que a mensagem ficou clara. Mas, leve-a para todos os âmbitos de sua vida e algumas atitudes com o tempo se podarão, outras ainda emergirão com muito mais facilidade, e são essas as que farão a sua memória viver para sempre.