199 ANOS PARAÍSO

Membros de uma Família redigiram por décadas, atas de posse de vereadores e prefeitos

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Cidades | 26-10-2020 09:11 | 686
Foto de Divulgação

A história da posse de prefeitos e vereadores em São Sebastião do Paraíso, registrada em atas pela Câmara Municipal, foi manuscrita durante algumas décadas por três membros de uma família. Iniciou-se na década de 1940 com Antônio Campos do Amaral (Sinhozinho), anos depois por seu sobrinho, o jornalista Aníbal Deocleciano Borges (Biba), e nos últimos vinte oito anos, pelo ex-vereador José Maria Malaguti, neto de Sinhozinho.

Natural de Parati, Estado do Rio de Janeiro, onde exerceu o cargo de prefeito, Sinhozinho mudou-se para São Sebastião do Paraíso na década de 1930. De uma família de políticos influentes, era ligado à União Democrática Nacional (UDN) e Partido Republicano (PR) que fizeram fusão. Era primo do paraisense Noraldino Lima, interventor federal em Minas Gerais de 17 de novembro a 20 de dezembro de 1946.

Sinhozinho Amaral casou-se com Sarama Borges Amaral, e dessa união se constituiu uma grande família. 

Foi delegado municipal.  Culto, na década de 1940 foi nomeado secretário e redigiu incontáveis atas de posse de vereadores e prefeitos. À época a Câmara era anexa à Prefeitura na rua Dr. Placidino Brigagão, área onde atualmente é o Edifício Colinas.

Com o passar dos anos foi transferida para o andar superior de imóvel no mesmo quarteirão, logo na esquina, confluência com a rua Soares Neto.

Dentre outros, ao que consta e fez as atas de posse dos prefeitos Luiz Pimenta Neves, Geraldo Froes, Manoel Palma Viera. Sinhozinho faleceu em setembro de 1963 e secretariou a Câmara por uns vinte anos. Foi sucedido pelo contador, advogado e professor, Antônio Ribeiro Duarte.

Seu sobrinho, o jornalista Aníbal Deocleciano Borges (Biba), editor do jornal Cruzeiro do Sul, alguns anos depois passou redigir as atas, época em que a Câmara tinha sua sede no andar superior do Cine São Sebastião, na Praça Comendador José Honório. Depois de Aníbal Deocleciano, a função passou a ser exercida pelo professor, advogado, historiador, Dr. Luiz Ferreira Calafiori, que também foi vereador, juiz de paz e prefeito de São Sebastião do Paraíso.

O professor José Maria Malaguti, filho de Maria Abadia Amaral Malaguti, neto de Sinhozinho Amaral, exerceu a vereança no mandato de 1989 a 1992. Foi relator e datilografou os originais da Lei Orgânica do Município,  promulgada em  março de 1990.

Não foi reeleito. Herdou de seu avô a habilidade de redigir com clareza e precisão. Secretariou reuniões no Rotary Club, no Clube Paraisense e na Faceac. Em 1993 foi convidado pelo presidente da Câmara Municipal de São Sebastião do Paraíso, Antonino José Amorim, para prestar seus serviços ao Legisla-tivo paraisense.

Durante vinte e oito anos José Maria exerceu o cargo. A última ata de posse foi a dos atuais vereadores, prefeito e vice prefeita, que tomaram posse em 2017.

Em reconhecimento ao seu trabalho a Câmara Municipal o homenageou, lhe outorgando Certificado de Honra ao Mérito em 2018, quando de sua aposentadoria.

Antônio Campos do Amaral (Sinhozinho)
Ex-vereador José Maria Malaguti
Aníbal Deocleciano Borges (Biba)