TERRA NOSTRA

O homem da última sessão

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 02-06-2021 09:53 | 98
Foto: Reprodução

Vamos continuar a jornada na Gotha do boxe italiano falando de Duilio Loi um dos boxeadores de maior sucesso da história do boxe mundial, em sua longa carreira disputou 120 lutas, perdendo apenas 3, com boxeadores com os quais se vingou. derrotá-los e se aposentar como campeão mundial e europeu.

Loi nasceu em Trieste, filho de pai sardo e mãe trieste, mas cresceu no estilo de boxe em Génova, para onde se mudou o seu pai, que trabalhava nos estaleiros navais.

Nas Olimpíadas de Londres de 1948 é um dos protagonistas anunciados mas, após um desentendimento com o treinador que o proíbe de fumar o único cigarro no final da refeição, Loi pega e sai, deixando o lugar para Formenti que vai ganhar a medalha de ‘ouro.

Loi então contando com o grande Branchini, histórico Promotor italiano, passou imediatamente por profissional e, após 32 jogos, com apenas 2 empates, tentou o assalto ao título italiano na categoria superleve que conquistou em Milão na 51ª. No ano seguinte, ele tenta subir ao Campeonato Europeu, mas é derrotado pelo atual campeão em Copenhague.

A primeira derrota obtida não o desmoralizou e em 54 se vingou em Milão, conseguindo desta vez prevalecer sobre os dinamarqueses. conquistando o cinto de luz.

Depois de dois encontros épicos com Visentin onde Loi estava dando o cinturão duplo de campeã italiana e europeia, ele partiu para uma turnê pelos Estados Unidos onde a recusa em lutar em uma partida armada pela máfia ítalo-americana custou-lhe uma espera de 5 anos para desafiar o campeão mundial .

Em 1959, Loi abandonou o título italiano e passou para o meio-médio, conquistando o título europeu de outro italiano, Emilio Marconi, também nesta categoria.

Finalmente, aos 31 anos, quando todos pensavam que o fim de sua carreira estava próximo, Loi teve o desafio muito agonizante pelo título Mundial contra a estrela em ascensão do boxe mundial o porto-riquenho Ortiz.

No ringue de Daly City, Loi viveu sua segunda derrota, mas a cláusula previa uma revanche ao desafiante que, em 1960, no ringue de SanSiro   se tornou o terceiro boxeador italiano a usar o cinturão de campeão mundial.

Ortiz liderou os primeiros arremessos com uma força frenética, mas Loi, mais experiente e habilidosa no gerencia-mento de energia, terminou em crescendo obtendo uma merecida vitória ao final dos 15 rounds.

Cansado e esgotado por uma longa carreira, Loi, após 120 lutas, foi forçado pelo americano Perkins a colocar o joelho no chão pela primeira vez, mesmo que no final tenha salvado o resultado.

Em 1962 ele deu a Perkins uma revanche em Milão e desta vez ele foi derrotado pelo boxeador americano.

Três meses depois, ainda em Milão, Loi fez a façanha de se tornar campeã mundial novamente, vencendo novamente Perkins.

Aos 34 anos, Loi, ainda com os cinturões de campeão europeu e mundial, decidiu encerrar a carreira.

Loi é lembrado por ser um grande estrategista, não dotado de um soco poderoso, ele compensou com velocidade e técnica, principalmente nos últimos arremessos onde quase sempre conseguiu subverter os resultados das lutas.

Hoje, com Benvenuti, Loi faz parte do All of Fame of World Boxing, um merecido reconhecimento para um dos maiores de todos os tempos.
MANOLO DAIUTO