TERRA NOSTRA

O pequeno marciano

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 09-06-2021 00:31 | 3521
Foto:

Entre Itália e França nunca houve um bom sangue, desde a época da conquista por César, os transalpinos sofreram um sentimento de inferioridade em relação aos italianos que, ao longo dos séculos, tentaram preencher o seu próprio caminho inventando a Grandeur Française, um chauvinismo levado ao extremo.

O esporte certamente não é exceção e tem havido muitos confrontos entre os dois países com impropriedades recíprocas, mas sem dúvida uma das páginas mais baixas tocadas pelos franceses foi em detrimento de um pequeno guerreiro toscano que era capaz de se enfurecer por causa de uma deficiência física que não o impediu de ser o melhor do mundo.

Mario DèAgata nasceu em Arezzo em 1926 com uma deficiência grave, e de fato surdo e mudo, algo que naquela época impedia o acesso a muitas atividades esportivas.

Mas Mario, como um bom toscano e teimoso e, embora com atraso, aos 24 anos obtém a licença de boxe profissional.

Em 26 de setembro de 1953, ele ganhou o título italiano dos galos ao vencer a medalha de ouro olímpica de Londres 1948, Gianni Zuddas, por desqualifica-ção na nona rodada.

Ele o defendeu quatro meses depois em Nápoles ao vencer Luigi Fasulo pelo Kot na 4ª rodada. Em 10 de abril de 1954, em Milão, rejeitou a tentativa de Zuddas de recuperar o título, vencendo-o por pontos em 12 rodadas. No dia 15 de maio, em Túnis, cruza os punhos pela primeira vez com o franco-argelino Robert Cohen, atual campeão europeu, perdendo por pontos uma partida não válida pelo título.

Cohen posteriormente se torna campeão mundial e deixa o cinturão europeu galo vago. D"Agata é designado para disputar o título ao outro francês André Valignat. Em 29 de outubro de 1955, em Milão, o Arezzo conquistou o título europeu, por desclassificação na quinta rodada.

Em 29 de junho de 1956, no ringue do estádio olímpico de Roma, D"Agata também conquistou o cinturão mundial de galos às custas de Robert Cohen para o Kot na sétima rodada. Diante de uma multidão de 38.000 espectadores, D"Agata joga Cohen no chão até a contagem de nove no final da sexta rodada.

O atleta do Arezzo é o segundo italiano a se sagrar campeão mundial, depois de Primo Carnera, no peso pesado. Ele também é o primeiro e único boxeador surdo-mudo a ganhar um título mundial.

No ano seguinte, a zombaria de Paris foi encenada contra o argelino Franco Alphonse Halimi.

Os dois boxeadores lutam no ringue, os primeiros rounds são dos franceses também porque D"Agata, como seu costume, demora a entrar no ritmo.

No início da terceira foto, um dos lustres do Palis des sport em Paris se apaga. DìAgata que é surdo e mudo e tem medo do escuro é pego pelos seus piores demônios, os espertos transalpinos sabem da fraqueza do toscano e demoram uma eternidade para restaurar o sistema, marcando definitivamente a partida, que apesar de tudo o bravo Aretino consegue trazer para a última recuperação.

Uma revanche seria obrigatória, mas os transalpinos incorretos usam todas as desculpas e fogem da revanche sabendo muito bem que uma partida na Itália teria sido muito diferente.

Depois dessa partida, a carreira do nosso boxeador, agora com trinta e um anos, na boca do caminho do declínio, fecha aos trinta e seis anos.

Mario D"Agata representa um exemplo de força e determinação para muitas pessoas que, embora sofrendo de graves deficiências, têm vontade de emergir e estabelecer-se.
MANOLO DAIUTO