TERRA NOSTRA

Dançarino ou contador?

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 23-06-2021 17:21 | 86
Foto: Reprodução

Continuamos com os grandes mestres do boxe italiano, e  na categoria super leve que tem sido capaz de dar tanto à Itália no ringue. Hoje falaremos de Sandro Lopopolo, um canhoto milanês, de origem apuliana, que, por seu estilo discreto e calculista, nunca esquenta muito a alma dos torcedores.

Lopopolo, que cresceu no bairro milanês de Quarto Oggiaro, como todos os jovens que se aproximam do mundo do boxe, teve seus modelos. No caso dele foram dois grandes compatriotas que o precederam: o tenaz Tiberio Mitri e o lendário Duilio Loi. Mais tarde, Sandro contou que muitas vezes, durante os treinos no centro esportivo Vigorelli, ao descobrir que fazia entregas quando trabalhava como entregador, tentava imitar o estilo de seus ídolos.

Quando seu professor perguntou o que ele estava pensando com aquele guarda atrevido, ele respondeu calmamente: “Para Mitri e Loi”. Sua abnegação ao imitar o maior acabou sendo fecunda, tanto que aos 20 anos o atleta lombardo conseguiu o passe para participar das Olimpíadas de Roma, durante as quais fez faíscas, conquistando a preciosa medalha de prata.

Na verdade, cinco vitórias consecutivas o levaram à final para o degrau mais alto do pódio e apenas o especialista polonês Kazimierz Pazdzior, que o ultrapassou aos cinco anos, conseguiu domá-lo com dificuldade.

Sandro era um canhoto colocado na guarda normal e, como tal, ele podia contar com um soco muito eficaz. Ele também era extremamente gracioso nas pernas e elegante nos movimentos, tanto que ganhou o apelido de “dançarino de ringue”. Apesar dessas qualidades, às quais devem ser adicionados reflexos e escolha de tempo como campeão, Lopopolo foi acusado de fazer o mínimo com muita frequência: ele usava a mão direita com moderação, fazia pausas consistentes, raramente aceitava a briga e aqui ele se tornou o “Contador do anel”. Se a força de seu boxe permitiu que ele se sagrasse campeão italiano após 30 lutas sem derrota, sua indolência custou-lhe o primeiro desastre, provavelmente imerecido, contra o desafiante toscano Piero Brandi.

Pode parecer paradoxal que um campeão mundial nunca tenha conquistado o título europeu; no entanto, como se afligido por uma maldição, Lopopolo falhou em todas as quatro tentativas de assumir o cinturão do velho continente. A primeira chance foi oferecida a ele na Espanha em 1965 e quando o local Juan Albornoz o ultrapassou na pontuação, Sandro decidiu mirar diretamente no prato principal.

No ano seguinte, de fato, ele deu as boas-vindas ao bandido venezuelano Carlos Hernandez no Palazzetto dello Sport em Roma para tentar arrebatar seus cintos superleves WBA e WBC. Her-nandez tinha a reputação de um terrível destruidor, tendo já derrotado vários grandes nomes: nosso porta-estandarte parecia a muitos uma vítima sacrificial. Naquela noite, porém, Sandro assinou sua obra-prima: por 15 rounds ficou na frente do rival mandando-o vazio e voltando sistematicamente com seus golpes, arriscando e acertando como nunca. Momentos de medo não faltaram, inclusive um nocaute sofrido na última rodada, mas no final foi o italiano quem saiu em triunfo!

A permanência no trono de Lopopolo durou exatamente um ano e como toda a sua carreira apresentou luzes e sombras. O campeão na verdade remediou duas derrotas na América do Sul em duas partidas sem título em disputa, primeiro com o venezu-elano Vicente Rivas e depois com o argentino Nicolino Locche. No entanto, quando Rivas apareceu na Itália como desafiante ao campeonato mundial, a atitude no ringue de Lopopolo mudou radicalmente e seu oponente foi forçado a se retirar devido a lesão após sofrer a batida de boxe do campeão.

O epílogo do reinado se materializou quando Sandro, seduzido pela bolsa de 25 milhões de liras antigas, concordou em ir ao Japão para enfrentar o ídolo local Takeshi Fuji, bastante tosco no nível técnico, mas com grande poder. Fisicamente enfraquecido por ter contraído a gripe asiática, Lopopolo controlou facilmente o primeiro assalto, mas no segundo acertou um gancho de direita devastador que o nocauteou. Um segundo KD e uma nova rajada de golpes fizeram com que o árbitro parasse: o reinado do boxeador italiano havia chegado ao fim.

Após a infeliz viagem ao japonês, Lopopolo continuou a pisar nos anéis por mais seis anos, mas não teve mais oportunidades de campeonato mundial, nem mesmo depois que Bruno Arcari fez seu próprio título superleve WBC, levando os fãs italianos a fantasiar sobre um derby incrível. Há quem defenda que a não concretização do evento se deveu aos supostos desentendimentos entre os dois boxeadores, mas o certo é que apesar de faltar mais três vezes ao cinturão da EBU, Lopopolo não desistiu nem na final. anos de sua longa jornada para tirar as satisfações de prestígio. Considere, por exemplo, quando na hostil Paris ele deu uma autêntica aula de boxe para o lutador francês Roger Menetrey, dominando-o nos pontos. Ironicamente, foi Menetrey um ano e meio depois que infligiu sua última derrota a Sandro, levando-o a se aposentar logo em seguida.

Pai de três filhos, Lopopolo manteve-se próximo ao esporte que o tornou grande mesmo depois de pendurar as luvas, tanto que fundou o sindicato dos boxeadores para proteger os atletas profissionais de nossa fascinante e insidiosa disciplina. Premiado com o reconhecimento de “Cavaliere dello sport”, Lopopolo faleceu em 26 de abril de 2014, mas sua classe cristalina permanecerá para sempre um dos principais exemplos de vitórias na Itália no boxe!
MANOLO DAIUTO