TERRA NOSTRA

Segundo eterno

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 07-07-2021 00:42 | 116
Foto: Reprodução

Depois da relação com o boxe, a partir de hoje falaremos sobre outra grande paixão dos italianos, o ciclismo.

No início do século XX e na virada das duas guerras, o ciclismo era sem dúvida o esporte mais amado pelos italianos, personagens míticos como Binda, Girardengo Coppi e Bartali, acenderam o coração dos torcedores que permaneceram grudados no rádio por horas ouvindo os feitos de seus heróis.

Entre esses heróis está um lugar, sem sombra de dúvida, um grande Felice Gimondi, que, tendo ganhado muito, teve a infelicidade de correr lado a lado com um dos maiores de todos os tempos, o belga Eddy Merckx, apelidado o Canibal precisamente porque ele não deixou ninguém ganhar.

Nascido em Sedrina, na província de Bérgamo, filho de caminhoneiro e carteiro, começou a competir no ciclismo em 1959, estreou-se profissionalmente no início de 1965 com os Salvarani de Luciano Pezzi.

Sua aventura entre os profissionais começou da melhor maneira, após um pódio no Giro d’Italia conquistado por seu companheiro de equipe Adorni, ele participou do Tour de France com a missão de ajudar seu capitão, em vez disso se viu prejudicado desde o terceiro encenar a camisa amarela que conseguiu defender dos ataques do francês Raymond Poulidor conhecido como Pou Pou.

No ano seguinte vieram as primeiras vitórias consecutivas, com o paris roubaiz e a lombar-dia vencidos no sprint diante de fenômenos como Mercxy, Poulidour e Anquetil.

Na temporada seguinte, ele venceu o Giro d’Italia pela primeira vez. Decisiva nessa “Corrida Rosa” foi a ação levada a cabo por Gimondi da terceira à última etapa, aquela com o Tonale, o Aprica e a chegada ao Tirano: depois de atacar com Gianni Motta no Tonale, na última subida o Bergamo O piloto conseguiu tirar a camisa rosa Anquetil e chegar à linha de chegada antes dele por 4’09 “, arrebatando definitivamente o recorde dele.

Em 1968 venceu a Vuelta a España depois de ter arrebatado a primazia de José Pérez Francés a algumas frações do final, tornando-se o segundo ciclista depois de Jacques Anquetil capaz de vencer os três Grand Tours de três semanas.

Em 1970 teve que sofrer o domínio dos cavaleiros belgas nos grandes clássicos. Chegou em forma no Giro d’Italia, mas teve que ceder novamente a Eddy Merckx, assim como no MilanSanremo de 1971 e no campeonato mundial do mesmo ano (ficou em segundo lugar atrás de Franco Bitossi em 1970 Giro di Lombardia).

Em 1973, Gimondi mudou-se para Bianchi-Campagnolo, uma formação dirigida por Giancarlo Ferretti, anteriormente seu ala em Salvarani. Nesta temporada, ele terminou em terceiro no Milan-Sanremo e em segundo, a mais de sete minutos da Merckx, no Giro d’Italia. Em setembro, em Barcelona,   o piloto de Bergamo conquistou o título mundial de estrada. A prova do campeonato mundial foi disputada em um dia quente no circuito de Montjuïc, a ser percorrida dezessete vezes, em um total de 248,6 km. Na décima primeira volta a Merckx lançou o ataque, Gimondi conseguiu responder trazendo os espanhóis Luis Ocaña e Domingo Perurena, o companheiro de equipe Giovanni Battaglin, o holandês Joop Zoetemelk e o belga Freddy Maertens; uma nova extensão da Merckx na décima quinta volta reduziu o grupo de contendores à vitória para quatro (o “Canibal”, Maertens, Gimondi e Ocaña), comprometidos com o lançamento do sprint na Merckx; este último, talvez devido ao cansaço ou talvez porque Maertens tenha iniciado o sprint com demasiada impetuosidade, perdeu o bom momento para o sprint final, favorecendo assim o sucesso do italiano.

Também se impôs no Milan-Sanremo 1974, no Giro d’Italia 1976, graças aos três pódios obtidos em anos anteriores, esteve entre os favoritos e conseguiu vencer ao bater Johan De Muynck, Francesco Moser, futuros vencedores do “Pink Race” e Eddy Merckx, oitavo. Esse foi o seu nono pódio no Giro, um recorde inigualável; nas quatorze edições do Grande Giro italiano em que participou, ele vestiu a camisa rosa por um total de vinte e quatro frações e vinte e um dias. [9] Foi também o penúltimo grande triunfo de Gimondi, que no mesmo ano conquistará o seu segundo Paris-Bruxelas.

Por ter frequentemente colocado atrás de Eddy Merckx, às vezes é apelidado de “o eterno segundo”: o próprio Gimondi admitiu que entendeu tarde demais - na Volta da Catalunha de 1968, quando o belga venceu o último contra-relógio, especialidade dos italianos - como muito Merckx era mais forte do que ele.
MANOLO DAIUTO