CONGADAS

Congada de São Sebastião do Paraíso tem registro revalidado no Iepha-MG

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cultura | 05-01-2022 17:13 | 572
Sem festa, solenidade de descida das bandeiras marcou o encerramento da Congada de Paraíso em 2021
Sem festa, solenidade de descida das bandeiras marcou o encerramento da Congada de Paraíso em 2021 Foto: Divulgação

A Prefeitura de São Sebastião do Paraíso, através do Departamento Municipal de Cultura, revalidou por mais dez anos o registro da festa da Congada e Moçambique local. No ano de 2010, após estudo histórico da tradicional festa, a mesma foi registrada junto ao Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG). O registro é o maior grau na esfera de proteção de um bem cultural. Antes disso, o reconhecimento de sua importância foi feito através do inventário.

Quando um bem cultural e histórico é inventariado torna-se primeiro passo de reconhecimento de sua importância, proteção e continuidade de estudos. Se esse bem cultural for material, ele é tombado. Quando é imaterial, ele é registrado.

Em Paraíso existe somente a festa de Congada classificada desta forma e, em 2009, após estudos ela foi inventariada e, posteriormente normatizada pelo Decreto municipal nº 3873/2010.

A cada década os bens históricos e culturais imateriais que são registrados devem ser motivo de estudo. Há a necessidade de conhecer mais circunstâncias como se esse registro ainda é válido, se o bem deixou de existir, se tradições diferentes surgiram dentro desse registro ou se há interferências novas. A partir desse estudo feito o registro deve ser revalidado ou não.

O historiador Lucas Cândido de Oliveira, secretário municipal de Educação, coordenou o estudo que foi apresentado aos detentores dos bens: o reinado, os congadeiros e moçambiqueiros paraisenses, que aprovaram a renovação, e ao Conselho Muicipal do Patrimônio Histórico e Cultural que, de igual maneira, reconheceu o festejo revalidando a existência do bem cultural.

Adiada
Por conta da pandemia, em 2019 aconteceu o último ano de desfiles dos ternos de congo e moçambique na Praça Comendador José Honório, com grande participação popular. Em 2020 e 2021, as comemorações ficaram restritas apenas à parte religiosa da festa, com o levantamento das bandeiras dos santos padroeiros e as missas, de 26 a 30 de dezembro.

Decisão conjunta entre a Prefeitura, dirigentes, Reinado e representantes dos ternos de congo e moçambique optou por não haver os tradicionais desfiles também em 2021 tendo como argumento evitar a propagação de doenças, em função de aglomerações.

Na tarde de sexta-feira, 31, aconteceu na Praça Comendador José Honório a cerimônia de descida das bandeiras dos oito santos padroeiros da Congada e Moçambique: Santa Efigênia, São Benedito, Nossa Senhora do Rosário, São Domingos, São Jerônimo, Santa Catarina, Santa Isabel e São Sebastião. Nos dias de festa foi realizada a celebração de missas em homenagem dos santos e a reza do terço.

Para 2022, a Prefeitura já anunciou que pretende organizar uma grande festa retomando a tradição da cidade.