PATRIMÔNIO CULTURAL

Companhias de Reis completam cinco anos como reconhecidas

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cultura | 08-01-2022 06:31 | 520
Confecção de presépios e as folias de reis fazem parte do patrimônio histórico em Paraíso e Minas Gerais
Confecção de presépios e as folias de reis fazem parte do patrimônio histórico em Paraíso e Minas Gerais Foto: Roberto Nogueira

A quinta-feira,6 de janeiro, conhecida popularmente como Dia de Reis, também marcou uma data muito importante para a cultura tradicional presente no estado.

As Folias de Reis celebram o quinto ano de seu reconhecimento como Patrimônio Cultural de Minas Gerais, com mais 1.600 grupos cadastrados em todas as regiões do estado. Da região de São Sebastião do Paraíso várias companhias fazem parte do grupo que foi reconhecido como patrimônio cultural do estado.

Os estudos foram realizados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) em parceria com as prefeituras. Em 2017, após um ano de pesquisa e identificação por meio de cadastro virtual disponível no portal do Iepha, o Conselho Estadual de Patrimônio Cultural de Minas Gerais aprovou, por unanimidade, o registro das Folias como patrimônio cultural de natureza imaterial.

Os grupos cadastrados estão presentes em mais de 400 municípios, com destaque para Uberaba, com 133; João Pinheiro (34), Uberlândia (32), Presidente Olegário (30) e Sete Lagoas (29). De São Sebastião do Paraíso, inicialmente, foram inscritas as companhias Água Limpa, Barreiro e Morro Vermelho. Da região estão cadastrados grupos como Estrela do Oriente (Jacuí), Cia de Reis Estrela do Sul e Estrela Guia (Nova Resende) e Cia de Reis Família Teófilo (São Tomás de Aquino). Também possui cadastro no Iepha-MG grupos de Itamogi, Passos e outras cidades.

Como uma das práticas culturais mais antigas e difundidas no estado, as Folias, também denominadas Ternos, Companhias, Caravanas, entre outros, foram se tornando, ao longo dos anos, um componente de considerável importância na construção do imaginário, identidade e memória do povo mineiro. O presidente do Iepha-MG, Felipe Pires, ressalta a importância do reconhecimento das Folias como patrimônio cultural.  “A tradição de representar a natividade é muito antiga e está presente em diversos territórios de cultura cristã em todo o mundo. Em Minas Gerais, o que torna essa prática especial são as características particulares que essa tradição aqui adquire, e suas relações com as nossas Folias de Reis”, destaca.

Com suas distintas sonoridades, devoções, denominações e formas, as Folias fazem parte do diversificado e complexo universo de celebrações feitas em Minas Gerais, tendo se tornado, ao longo dos anos, uma importante referência cultural do povo mineiro. A diversidade contribuiu para que o Iepha/MG instruísse, pela primeira vez, um processo de registro que abrangesse todo o estado.

Este processo, inovador e desafiante para a Instituição, foi desenvolvido de forma colaborativa e com a participação de foliões, de prefeituras e de pesquisadores, por meio de uma plataforma virtual, lançada no site do Iepha-MG, no dia 6 de janeiro de 2016, na qual é possível cadastrar os grupos de Folias do estado. A plataforma, disponível no site do Iepha-MG, permanece aberta com o recebimento contínuo de informações.

Tradição
A edição de 2021 integrou, de forma especial, a programação dos 50 anos do Instituto, e contou com mais de 500 presépios residenciais e comunitários de 302 municípios de todas as regiões do estado. Tradicionalmente, os presépios recebem visitas até o dia de Santos Reis. Em Minas Gerais, o presépio está presente desde o século 18, com muitos desses montados nos chamados oratórios-lapinha e maquinetas (caixas envidraçadas).

No Brasil, a tradição dos presépios alcançou contornos próprios, mas influenciados pelos hábitos e costumes europeus da representação da natividade, acompanhando as festas do ciclo natalino e, em especial, as folias criadas em honra e devoção aos santos Reis Magos. Contando com figuras de animais, pastores, casinhas, pequenas conchas e plantas, a cena de um presépio varia de acordo com os costumes do lugar.

No site do Iepha-MG estão disponíveis o documentário e o caderno que retratam as Folias de Minas. O filme, dirigido por Felipe Chimicatti e Pedro Carvalho, sob a coordenação da equipe técnica do Instituto, também está no canal do Iepha no YouTube. A produção audiovisual e a publicação apresentam ainda elementos como o canto, a reza, os toques de instrumentos musicais, as danças, as comidas votivas e o uso de objetos sagrados, como máscaras, toalhas, fitas e a bandeira com a imagem dos santos de devoção.

Trabalho em miniatura representa a devoção aos três Reis Magos Melquior, Baltazar e Gaspar