SAÚDE ANIMAL

Alergia e Alimentos

Por: Rogério Calçado Martins | Editoria: saude | 12/02/2018 | Visualizações: 2024

- Foto de Reprodução

 


A hipersensibilidade alimentar pode ser causada por alergia ao alimento propriamente dito (o que é imunologicamente mediado), ou por intolerância ao alimento, o que é um evento que não envolve o sistema imunológico. Clinicamente falando, esses dois distúrbios têm apresentações e tratamento bastante parecidos.
Supõe-se que a alergia a alimento seja causada por uma barreira anormal na mucosa do interior do intestino, apresentação anormal de antígenos alimentares ao sistema imunológico ou mesmo a falta de regulação do próprio sistema imune. Em muitos casos, considera-se que uma predisposição à alergia desempenhe algum papel. 
As proteínas são as maiores vilãs nessa história, sendo o componente nutricional com maior probabilidade de causar alergia alimentar. Pode ser uma proteína recém introduzida (como em uma troca de ração, por exemplo) ou mesmo, em alguns casos, a mesma proteína que o animal já venha ingerindo há anos.
Comumente a alergia alimentar se manifesta como uma doença de pele que coça bastante, embora também possam ocorrer sinais gastrintestinais, como vômito e diarréia (isso pode ocorrer conjuntamente ao problema dermatológico ou independente de tal manifestação).
Os sinais clínicos mais comuns são a perda de pêlos em determinados locais do corpo e coceira na face (em especial nos olhos) e no pescoço, embora possa também ocorrer coceira em todo o corpo. Alguns coçam-se também na região anal, arrastando o "bumbum" no chão. Se a coceira for muito intensa, alguns animais podem chegar até mesmo à automutilação (morder-se tanto à ponto de arrancar pedaços da pele). A otite externa (inflamação nos ouvidos) também ocorre com certa frequência.
O diagnóstico é bastante complicado e envolve diversos fatores complexos. À partir do exame feito pelo Médico-veterinário e da prescrição e orientação adequados à cada caso especificamente, os sinais clínicos e físicos serão acompanhados e observados quanto à melhora ou piora do quadro ao longo do tempo.
Vários outros alérgenos podem potencializar ou mesmo dificultar o controle da alergia alimentar, como pulgas, carrapatos, pólen de plantas, bolores, ácaros e vários outros alérgenos ambientais.
uma casa onde vivem cães e gatos, ou mesmo vários cães ou vários gatos, o animal com alergia alimentar não dever ter acesso ao alimento dos demais animais da casa. Uma solução é alimentar todos os animais do local com a mesma ração do animal alérgico. E é bom lembrar também que animais mais sensíveis podem desenvolver alergia inclusive pela nova fonte de proteína à que está sendo submetido.
prognóstico para pacientes alérgicos é bom , mas desde que o(s) causador(es) da alergia (alérgeno) possa(m) ser evitado(s). Em caso de dúvida, procure um Médico-veterinário.


*ROGÉRIO CALÇADO MARTINS
– médico-veterinário – CRMV/MG 5492
*Especialista em Clínica e Cirurgia Geral de Pequenos Animais (Pós-graduação “lato sensu”)
*Membro da ANCLIVEPA (Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais)
*Consultor Técnico do Site  www.saude animal.com.br
*Proprietário da Clínica Veterinária VETERICÃO (São Sebastião do Paraíso/MG)

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897