PLANTIO ARROZ

Programa incentiva plantio de arroz em ruas de café em lavouras de Paraíso

Parceria entre Emater, Epamig, UFLA e Embrapa busca revitalizar cultura do cereal em Minas Gerais, que já foi o terceiro maior produtor do País
Por: Ralph Diniz | Categoria: Agricultura | 17-02-2024 04:07 | 1116
Ruas das lavouras de cafés já estão tomadas pelos pés de arroz. Cereal deve ser colhido ainda neste mês
Ruas das lavouras de cafés já estão tomadas pelos pés de arroz. Cereal deve ser colhido ainda neste mês Foto: Divulgação

Na busca por soluções inovadoras que promovam a sustentabilidade e a diversificação da produção agrícola, uma parceria entre a Emater-MG, a Epamig, a UFLA e a Embrapa, está incentivando o plantio de arroz em consórcio com lavouras de café na região, incluindo São Sebastião do Paraíso. Este programa visa não apenas reintroduzir o estado de Minas Gerais como um grande produtor do cereal, mas também fortalecer a base alimentar da população brasileira, composta essencialmente pelo produto juntamente com o feijão.

O programa, batizado de “Resgatando o Cultivo de Arroz de Terras Altas em Minas Gerais”, apresenta aos produtores novos materiais genéticos adaptados para o cultivo na região, conhecidos como arroz de terras altas ou arroz de sequeiro. “Esses materiais podem ser cultivados tanto em consórcio com o café quanto isoladamente, mostrando resultados promissores”, explica Geraldo José Rodrigues, extensionista da Emater-MG. Segundo ele, as sementes de arroz foram plantadas em outubro de 2023, com previsão de colheita já no início deste mês.

A iniciativa, liderada pela Epamig e financiada pela Fapemig, conta com a colaboração essencial de instituições como a Embrapa e a Universidade Federal de Lavras, além do apoio técnico e extensionista da Emater-MG. “Nosso papel é fundamental para levar aos produtores essa nova tecnologia e esses novos materiais, que podem ser implantados nas entrelinhas das lavouras de café, proporcionando uma integração produtiva e sustentável”, destaca Rodrigues.

Em São Sebastião do Paraíso, dois produtores já aderiram ao programa, e na microrregião, o número totaliza dez, demonstrando um interesse crescente pela técnica. Esses agricultores receberam treinamentos e orientações desde o plantio até a colheita, focando em testes com três materiais diferentes. “Os resultados iniciais são animadores, com materiais rústicos que se adaptam bem ao cultivo consorciado, incluindo variedades precoces e uma que promete maior rendimento de grãos inteiros”, revela o extensionista.

Historicamente, a região de Paraíso, conforme relatos de produtores mais antigos, já foi palco de vastas lavouras de arroz, com Minas Gerais posicionando-se como o terceiro maior produtor do cereal no Brasil. Atualmente, a produção se limita a áreas pequenas, majoritariamente para consumo próprio. “A ideia é que, por meio dessas unidades demonstrativas, possamos reacender o interesse pelo cultivo de arroz na região, trazendo benefícios tanto ambientais quanto econômicos para os produtores”, enfatiza Rodrigues.

Um dos produtores pioneiros nessa iniciativa é João Eduardo de Paula Vieira, da Fazenda Pimentas, em Paraíso. Com uma lavoura de café de aproximadamente 2 hectares, ele dedicou cerca de 350 metros de linha para o plantio de quatro espécies diferentes de arroz. “A experiência tem sido muito positiva. Além dos benefícios agronômicos, como a retenção de umidade e a proteção contra o vento para o café, o arroz representa uma fonte de renda adicional bastante promissora”, relata.

Animado com os resultados preliminares, o agricultor já planeja expandir o cultivo de arroz nas próximas safras, otimista quanto à possibilidade de intercalar com sucesso as duas culturas. “A chave está no manejo adequado. Com organização e as orientações certas, é possível maximizar os benefícios dessa prática inovadora”, diz.

Para o extensionista da Emater, a iniciativa do programa de consorciar arroz com café  está não apenas resgatando uma tradição agrícola, mas também abrindo novos caminhos para a sustentabilidade e a diversificação produtiva nos campos de Minas Gerais. “Com o apoio das instituições de pesquisa e a vontade dos produtores de adotar novas práticas, o futuro da agricultura na região promete ser rico em inovação e sucesso econômico”, conclui.

Cafeicultor de Paraíso recebeu sementes de arroz e todo o suporte das instituições para participar do programa
Produtores de outros municípios da região também estão participando da ação
Ruas das lavouras de cafés já estão tomadas pelos pés de arroz. Cereal deve ser colhido ainda neste mês